gjuniioor

char nick[9] = "gjuniioor";

printf("https://github.com/%s\n",nick);

printf("%s\x40protonmail\x2e\\\bch\n",nick);

puts("5E12 9ABC C2A9 564B C048 2DF9 D327 0D10 BC71 CF75");

Magazine Review :: Manual do Hacker ed. 01 - On Line Editora

Feb 1, 2016 • archlinux,cli lindo!,criptografia,hacking,linux,privacidade,seguranca,livros

Capa da revista "Manual do Hacker ed. 01"

Aquisição

Antes de mais nada gostaria de dizer que vi um reboliço ai com muita gente criticando essa revista simplesmente pelo título da mesma. Mas sabe aquela de não julgar o livro pela capa? Como poderia eu julgar uma revista/livro/filme/qualquer outra coisa sem ao menos ler/assistir/ou qualquer outra coisa? Pois bem, fui atrás de uma cópia da obra para poder ter minha própria opinião.

Andando por ai, cheguei a uma banca em que conhecia o dono. Perguntei se ele tinha essa revista lá para dar uma olhada. Me mostrou. Conversando com ele falei que estava interessado para poder fazer um review para o blog aqui. Então, ele gostou da ideia e m deu a revista. Gente fina demais, não?!

Resumo

Sendo logo breve: não indico a revista para quem quer aprender bem sobre um tema. Pronto. É isso, pode voltar pro facebook ou ler mais críticas abaixo. :)

Review

dos assuntos

Os temas abordados são até que interessantes. Éalgo bem eclético mesmo! Assuntos de redes, programação, web, tudo é englobado lá. Inclusive posso retratar um ponto positivo que é a questão da escolha dos temas. Foram assuntos relativamente novos, ou melhor dizendo, poucos conhecidos, em sua maioria, e que gente que não é de determinadas áreas iriam aprender. Ponto positivo.

Como exemplos posso citar a abordagem sobre Juju [0] e Terminology [1].

da didática

Acredito que foi a primeira revista impressa sobre TI que li. Por não ser algo DA comunidade PARA a comunidade não tinha essa pegada de textos de TI que se espera quando lemos, por exemplo, blog ou outras revistas [2].

Outro ponto referente a isso é a questão da profundidade das matérias sobre os assuntos. Dava para se ver que apenas arranhava a superfície. Também não vou fazer juízo de valor, pois como prefiro ler livros e artigos mais completos sobre algo não apenas how to posso ter sentido falta desse complemento que busco em algo, coisa que muita gente não espera. Portanto, isso é um ponto de vista, de que é um ponto negativo por conta disso.

E mais um ponto negativo para citar aqui é a questão da forma de escrita. Muito massante! Pode ter sido culpa da tradução? Talvez. Mas a revista que estive em mãos, em português, era totalmente massante a leitura. Basicamente falando: se eu não tivesse focado em ler para postar aqui um review muito provavelmente eu não terminaria de ler. :) Por várias vezes conversando com amigos no momento em que estava lendo, ou quando iria começar, lá estava eu me queixando para ele como era chato ler esses textos. rs’

da tradução

Bem, você deve ter percebido que já dei uma certa cutucada a respeito da tradução no parágrafo acima. Pois bem, tradução pior é possível? Claro! Melhor também? Bem mais fácil isso! Eu que não sou um expert em ingrêis podia ver claramente os erros e imaginar como era determinadas partes na versão original e portanto, como seria a tradução correta.

Bach?

Além de partes com tradução errada havia partes que simplesmente esqueceram de traduzir. Pensei algumas vezes em mandar um e-mail para ver sobre essa vaga de revisor em aberto, mas desisti rs’.

Bem, isso não é do código, acredito.

Essas ai foram partes que no momento do post pensei “poxa, ver se acho alguma aqui rápido para mostrar”. Imagina se fosse garimpar mesmo.

da estrutura

Essa é outra queixa que deixou a revista muitíssimo a desejar!!!

Em algumas matérias tinha prints ou outras imagens para dar um contexto sobre o texto. Funcionaria, se estivesse em locais corretos. Para ficar mais claro com um rápido exemplo: é como se nessa parte falando sobre a estrutura eu colocasse a foto de capa que deveria estar lá no topo do post.

Depois de um certo tempo lendo e vendo que isso não ia melhorar adotei a seguinte técni: via as imagens e lia a legenda das mesmas antes de começar a ler o texto, para depois, quando citar, eu lembrar e ai sim fazer sentido. Se deixasse para ler depois ficava de certa forma “mazoq?”.

dos textos

Mais uma vez: não sei se o que vou me queixar aqui é culpa da tradução, mas como a obra que adiquiri não tinha, vale se criticar.

Os textos, como já falei na parte da didática, eram massantes. Até ai “tudo be A questão que, por exemplo, em um artigo que era mostrado como a pessoa utilizar uma máquina virtual qe eles disponibilizam para testes simplesmente faltava o link de download dessa VM.

Além disso faltava algo que acho muito bacana que são as referências. Não custaria tanto para eles colocarem uma sessão com alguns links para a pessoa ir além. Coisa que faço em todos posts, com atenção principalmente para aqueles de teor mais técnico ou que cito assuntos assim.

Por fim …

… não me dou o direito de falar “leia” ou “não leia”! Pois é! Deixo aí alguns pontos que achei importante serem comentados e cabe a cada um escolher o que achar melhor para si. Para finalizar, um argumento que sem dúvida diria para cada um que falasse que iria ler ou não:

  • Argumento pró leitura: todo conhecimento é válido. Você pode aprender algo bacana com ela.
  • Argumento contra leitura: é muito massante e sem dúvida encontra coisas bacanas pela internet.

Até mais ver seus lindos e lindas desse mundão!!

[0]: http://www.ubuntu.com/cloud/juju
[1]: https://www.enlightenment.org/about-terminology
[2]: https://gjuniioor.github.io/zines/

Gostou do post? Assina o feed e seja feliz!!